CBÓptica e o compromisso de qualificar o varejo óptico

post4

O coordenador da Câmara Brasileira do Comércio de Produtos e Serviços Ópticos (CBÓptica), Andre Luiz Roncatto concedeu entrevista para a Revista Filadélfia. Ele fala sobre o segmento do varejo óptico e a Entidade que representa.

Revista Filadélfia: – Qual o papel da Câmara na evolução do Segmento?

André Luiz Roncatto: – A Câmara é fundamental para a busca das soluções exigidas pelo segmento. Temos um grupo representativo dos sindicatos regionais atuando com o compromisso de qualificar cada vez mais o varejo óptico brasileiro. Para atingirmos esse objetivo, precisamos estar atentos às mudanças do cenário econômico, a qualidade de produtos e serviços que ofertamos, a concorrência desleal através do comércio ilegal e outros.

Revista Filadélfia: – Como analisa a importância do ensino profissionalizante?

André Luiz Roncatto: – O ensino profissionalizante é muito importante. É o pilar do atendimento com excelência. Profissionais bem preparados geram melhores resultados para as empresas e para si próprios, e o cliente é sempre beneficiado. A venda de produtos ópticos não é uma venda comum, ela é altamente técnica e requer profissionais muito bem preparados para essa tarefa que tem a responsabilidade com a saúde visual das pessoas.

Revista Filadélfia: – Quais os desafios da Câmara?

André Luiz Roncatto: – Os desafios são muitos. Manter os empresários motivados apesar das dificuldades econômicas, enfrentar a pirataria de produtos ópticos, garantir normas de qualidade para que os produtos ópticos estejam na conformidade exigida, construir condições para que mais pessoas possam ter acesso aos produtos ópticos.

O que tende a ocorrer no futuro no segmento?

André Luiz Roncatto: – Na área de inovação e tecnologia, o que percebemos claramente é que as novidades tecnológicas estão em plena ebulição. A indústria do varejo óptico se notabiliza por apresentar constantes avanços em todos os sentidos. Hoje, há mais facilidades e diversas soluções para os usuários de lentes de contato, óculos de grau e óculos solares. Há pouco mais de uma década, não era assim. Temos a sensação de que ainda muitas novidades virão. No cenário político e econômico há uma instabilidade preocupante que envolve credibilidade e consequentemente se nota uma redução do consumo, afetando diversos setores, inclusive o nosso. Todas as crises que existiram foram superadas, essa não será diferente. O que defendemos é que o varejo óptico precisa ter foco nas soluções, investir em excelência no atendimento e ter ambientes adequados de acordo com as normas para que a qualidade do nosso trabalho não seja afetada. Quanto ao consumo, notamos uma mudança no perfil do consumidor, que agora está mais bem informado, mais exigente e mais preocupado com a sua saúde visual. Existe uma mudança de cultura que faz com que mais pessoas estejam atentas com a sua qualidade de vida, e consequentemente, com a sua visão.

Revista Filadélfia: – Quais os perfis de sucesso na área?

André Luiz Roncatto: – Pessoas inovadoras sempre obtêm melhores resultados, pessoas e empresas precisam de criatividade para buscar as melhores soluções diante dos desafios. Não há duvida de que a competência, somada ao conhecimento técnico, constroem um perfil de sucesso em qualquer atividade. Pessoas interessadas em progredir profissionalmente são as que se empenham mais e buscam estar atualizadas. E elas serão sempre reconhecidas em suas trajetórias profissionais.

Como avalia o papel no Ensino Profissionalizante para desenvolvimento da área?

André Luiz Roncatto: – Instituições de ensino idôneas têm uma enorme contribuição a dar para o segmento. O recurso humano qualificado é o cartão de visitas de uma óptica. O consumidor que procura preço, quando se depara com um atendimento focado em soluções para a sua necessidade, muitas vezes opta por pagar a diferença por se sentir seguro diante de um atendimento diferenciado. Quando o conhecimento técnico se soma ao atendimento excelente, juntos fazem com que a venda de produtos ópticos seja exitosa e eficiente. Precisamos de profissionais preparados para os desafios do segmento.